sábado, 2 de junho de 2007

Na joalheria, a morte não é mais a mesma!

A joalheria, fortemente ligada à idéia de "eternidade", tem sido usada para dar à "morte" novas perspectivas. Desde que a tecnologia possibilitou a transformação das cinzas do ente querido em diamante, a morte não é mais a mesma! Há algumas temporadas, o gótico vem se manifestando como uma das grandes tendências na moda e as jóias, soberanas, elevaram os signos do punk à esfera do luxo e do glamour. Já nos acostumamos a ver caveiras, espinhos, giletes, facas, parafusos e crucifixos retorcidos nas vitrines das mais importantes joalherias do mundo. Tudo em ouro 18k, com muitos diamantes e pedras preciosas!
Mas a notícia da vez é o lançamento da última "obra de arte" do polêmico artista inglês Damien Hirst. Conhecido por sua série "História Natural", toda realizada com cadáveres de animais, dissecados e apresentados em reservatórios de formol, Damien radicalizou: transformou o crânio de um jovem de 35 anos do século XVIII em jóia! Pois é... tudo em platina, totalmente cravejada de diamantes. São 8.601 diamantes puros, sendo que o maior deles tem 50 quilates. O valor do "mimo"? 50 milhões de libras ou, convertendo, 100 milhões de dólares! Ah! detalhe: os dentes são verdadeiros...

3 comentários:

Márcia Pompei disse...

Cidda, será que nosso estilista Alexandre Herchcovitch (perdoem-me se não estiver escrito corretamente) já viu isso? Acho que ele ia adorar!

maura dias disse...

Incrível! assim que terminei de ler a matéria, pensei no "nosso" talentoso Alexandre e quando ele daria para ter esse pequeno mimo.

maura dias disse...

Cida, onde está quando na verdade é quanto... errei